26 maio 2015
Como Contratar melhor

O que os recrutadores deveriam perguntar?

0 Flares Facebook 0 LinkedIn 0 Twitter 0 Google+ 0 0 Flares ×

O que os recrutadores deveriam perguntar?

E contratar melhor!

Em geral durante uma entrevista de emprego, vemos mais do mesmo. Quase todos os gestores, sejam de pessoas ou das áreas técnicas, seguem a boa e velha cartilha:

  1. Por que eu deveria te contratar, ou como você seria uma boa escolha para esta vaga ou esta empresa?
  2. Fale-me das suas principais habilidades e seus pontos fracos
  3. Quais são seus objetivos de curto e longo prazos ou, onde você se vê daqui a cinco anos?
  4. Como você lida com as pressões do trabalho ou como você se comporta quando algo não sai como planejou?
  5. Como você vai contribuir para o desenvolvimento da empresa?
  6. Por que você saiu da empresa anterior?
E por aí vai. Tem alguns que fazem perguntas mais profundas, do tipo:
  1. Qual seu maior sonho?
  2. Por que você escolheu esta carreira?
  3. Se você você um bicho, qual seria?
  4. Conte-me um pouco sobre os cinco últimos livros que leu … (esta pergunta é bem complicada, pois tem gente que nunca leu cinco livros)

Perguntas que não são nada inspiradoras e podem ser facilmente decoradas se bem ensaiadas. E a consequência simples é que as vezes os gestores reclamam muito sobre o desempenho atual de seus funcionários, mas grande parte disto poderia ser diferente se ele contratasse melhor.

Se os recrutadores querem realmente saber um pouco de tudo isso ao mesmo tempo, basta fazer uma simples pergunta e assim, sair do “mesmismo”.

Sim, é possível inovar até na hora de entrevistar pessoas.

A pergunta é simples: Diga-me algo que eu não saberia olhando para o seu currículo, ou diga-me algo que ninguém sabe a seu respeito.
Sim, é uma pergunta capciosa, mas um bom gestor saberia muito bem procurar elementos preciosos para contratar melhor.

O que está escondido por trás da pergunta:

  • Como o candidato organiza ideias: Se ele conta uma história ou uma piada, se fala de forma confusa e evasiva, se pula de um assunto para outro sem conexão, ou se simplesmente surpreende com um poder de síntese, cadência e fluidez. Quem sabe se expressar bem e mantém a atenção logo de saída, tem mais chance.
  • O que é mais importante para o entrevistador saber: O que o candidato faz neste momento é priorizar o que realmente importa. Se ele contar uma história sobre família, sonhos, caridade, elogios, etc, ele pensa de forma mais abstrata e se você precisa de alguém pé no chão, que entrega resultados, então talvez este candidato não se encaixe.

Mesmo que o candidato fale de si mesmo, ou de realizações pessoais e como resolveu problemas e ao final encaixar isto à vaga, à oportunidade, então as chances de se sobressair são maiores.

  • O candidato deveria falar isso mesmo?  Ninguém que está contratando quer saber se a empresa anterior era boa ou má, ou se os líderes eram medíocres. O que eles querem saber é se o candidato sabe lidar bem com estes tipos de adversidade, então se o candidato falar coisas negativas sobre as empresas por onde passou, então não irá muito longe.
Nosso propósito aqui é fazer uma reflexão sobre aumentar as probabilidade de uma boa contratação.
Fazer as boas e velhas perguntas prontas, talvez não sejam suficientes para os dias desafiadores de hoje.

No próximo artigo trataremos de como o candidato poderia se preparar para esta pergunta.

por André Medeiros

que ouve constantemente reclamações dos gestores sobre as dificuldades na hora de contratar.

 

André Medeiros
About André Medeiros

André Medeiros é sócio na Thinkers - Consultoria em Gestão. Especializada em pequenas, médias e empresas familiares.

Leave a Comment